Utilizando o Open Street Map em seus projetos

Em capítulos anteriores, falei um pouco do uso de aplicações fora do mainstream. Tem um danado que preciso falar um pouco mais, o Open Street Map (OSM). Já tinha ouvido falar de várias incursões do povo para mapear locais à pé, de bicicleta e barco para alimentá-lo. É uma plataforma robusta e séria para websites, aplicativos móveis e dispositivos de hardware, apoiada por instituições e empresas ao redor do mundo. Exemplos grandes de uso são Apple e Flikr e o aplicativo de mobilidade urbana Moovit. O @willianpaixao me deu o papo que o Uber utiliza o serviço como data provider.

Continuar lendo

Anúncios

#horaextra especial de 10 anos do Tá safo!

Olá, pessoal!

Acho que nunca comemoramos o aniversário do Tá safo!. Ele apareceu oficialmente dia 17 de Abril de 2007 na Semana Acadêmica do IESAM (Belém – Pará). A data que se aproxima dos 10 anos da comunidade será em uma segunda-feira, que combina perfeitamente com uma http://horaextra.org/ :), movimento utilizado pela mesma galera que criou os valores que buscamos seguir: http://smallactsmanifesto.org/.

Então, surgiu a ideia de, em cada localidade que desejar, o povo se reunir, a qualquer hora, em algum restaurante, bar, lanchonete, em casa e publicar textos ou fotos para comemorar os nossos 10 anos de existência, compartilhando nas mídias sociais  textos e fotos com a hashtag #tasafo10anos.

Tá feito o convite! Tá safo!? 🙂

transformAÇÃO na EETEPA Icoaraci

Em 2010, realizamos um #tasafoemacao na Escola de Ensino Técnico do Estado do Pará (EETEPA) de Icoaraci, que oferta os cursos de Informática, Suporte e manutenção, Design de interiores e Hospedagem, onde Fábio e Jaime foram nos representar. Pelo relato, deve ter sido “duka” mesmo. E no dia 27 de Agosto de 2016, tive a satisfação de representar o Tá safo! para uma ação, em conjunto, chamada I FISOL 2016, articulada pelo Marcelo Sá, da Jambu Tecnologia, Ézyo Lamarca do Linux Pai D’Égua e Raimundo Xavier do projeto LibreOffice.

Continuar lendo

script as a service

Acho que foi com o rvm.io que tive o primeiro contato com script como serviço. Mas foi instalando e configurando o GitLab “trocentas” vezes, que me levou a evoluir os tutorias de instalação de ferramentas que usamos no trabalho para algo mais prático que ctrl+c e ctrl+v intermináveis, fora o risco de esquecer de executar alguma linha do roteiro e levar o processo pro “beleléu”. Com o ensinamento de um velho camarada onde ele diz que nossos scripts devem virar programas, usei a filosofia do seja burro e preguiçoso mais uma vez.

Continuar lendo

GitLab – Belo, recatado e do lar

Falou em Git, você pensa logo em Github, certo? Se a resposta for sim, então não confunda mais o sistema de controle de versões distribuído Git e a rede social de código fonte mais famosa do mundo, o Github. A maioria dos projetos Open Source estão hospedados lá, várias organizações e pessoas possuem seus projetos privados também guardados por lá, pagando alguns dólares por mês, pois a galera do Github também precisa se alimentar e pagar suas contas.

Continuar lendo

Grupo de Usuários de Métodos Ágeis do Pará

Não! O Tá safo! não mudou de nome e nem vai fechar as portas. O bagulho tá bão demais, sô!

Resumindo a história, a SUCESU-PARÁ resolveu formalizar o apoio à implantação de métodos ágeis nas organizações.  Com a iniciativa do Evandro Paes (da PRODEPA), Artur Tupiassu (do SERPRO) e Mauro Brito (da própria SUCESU-PARÁ) o negócio deslanchou e o Tá safo! abraçou o projeto para mostrar que a fase de desconfiança no Desenvolvimento Ágil já passou.

Agora podemos mostrar com nossas próprias experiências que temos alternativas eficazes aos modelos de gestão e desenvolvimento tradicionais.  E que empresas de qualquer porte podem implementar gradualmente processos e boas práticas de gestão de projetos e engenharia de software.  Isso tudo sem abandonar processos tradicionais. É tudo questão de mudança cultural, assunto aliás bastante debatido no 1º encontro.

O GUMA-PA é a consolidação de um sonho antigo nosso. O de reunir academia, empresas e sociedade na busca de soluções sustentáveis para a classe de TIC, que trabalha muito e que muita vezes é colocada em segundo plano.

Continuar lendo