Como foi o Tá Safo! Beer: Mobile Talks 2017

No dia 18 de Março, aconteceu mais um Tá Safo! Beer, no Black Dog English Pub. Dessa vez os assuntos foram relacionados exclusivamente à mobile. O evento começou de tardinha, por volta das 16h15. Nem o “pau d’água” que estava caindo atrapalhou a galera que marcou presença, lotando o pub mais uma vez. A galera ía chegando, pegando sua comanda, enchendo seu copo com as brejas artesanais do local e já se ajeitavam nas cadeiras esperando começar o evento.

Continuar lendo

Anúncios

Código legado. O Horror!!

Cthulhu

Cthulhu

Existem, na comunidade, várias definições para o que seria código legado: todo código que você escreveu é legado; o código que outra pessoa escreveu é legado; o código ruim, de difícil manutenção é legado. Não importando a definição, podemos identificar uma característica primordial, o código legado é aquele difícil de mudar. E isso, geralmente é um terror para os desenvolvedores.

Continuar lendo

Criando abstrações com repositórios

Ainda hoje vejo muita gente utilizando o padrão DAO em novos projetos, mesmo usando novas tecnologias de persistência como Hibernate e JPA. Não vou entrar em discussões sobre o padrão DAO estar morto ou não. O fato é que em projetos legados, principalmente os que usam JDBC, o DAO está bem vivo. Mas e em projetos que usam ORM? É necessário usar DAOs e os famosos DAOs Genéricos?

Continuar lendo

Seu projeto não tem testes? Pior pra ele

Olá pessoal! Esse é o meu segundo post aqui no blog do Tá Safo! e desta vez vou falar sobre testes e TDD que é um tema ainda pouco discutido pela região.

Bem, eu vejo em muitos lugares, inclusive em gerências de projetos por ai que uma tarefa é dividida nos seguintes estágios: A Fazer, Fazendo, Testando, Homologação e Pronto.

A primeira é quando a funcionalidade ainda está a espera de ser implementada, a segunda é quando alguma criatura começa a produzir a tarefa (que no nosso caso, é o código). Então, após ser implementado ele será testado para depois ser aceito pelo cliente e pronto, fim de papo.

Sempre que assisto a alguma palestra ou converso com alguém sobre o que este teste realmente quer dizer, ouço que é alguém dedicado a usar o software para saber se a funcionalidade feita está de acordo com o esperado e/ou funcionando.

Cruzes! Toda vez que escuto isso me dá um frio na espinha, sério. Primeiramente, existe uma pessoa dedicada para isso. Segundo, o teste é feito manualmente. Terceiro, o teste é feito DEPOIS que o código é escrito.

Óbvio, hehe, o terceiro ponto pareceu muito esquisito. Não tem como testar a função antes dela ter sido implementada. Quebremos, então, este paradigma.

Continuar lendo