• Artigos

    Diga, não pergunte

    Diga, não pergunte – mais popularmente conhecido como tell, don’t ask – é um princípio da orientação a objetos que nos lembra de que, ao invés de pedir dados a um objeto, devemos dizer a ele o que fazer. Dados e operações devem pertencer ao objeto, logo, você não precisa consultá-lo para depois agir em seu nome. Ou seja, você deve dizer ao objeto o que você quer que ele faça, e não perguntar sobre seu estado para depois tomar uma decisão. Por exemplo: O método street_name está perguntando o estado de user para tomar uma decisão e retornar algo. De acordo com o tell, don’t ask, a implementação dessa lógica deveria…

  • Notícias

    Extended Belém e as novidades do Google I/O 2015

    Aconteceu ontem (dia 28), direto da sede em Moutain View o Google I/O 2015, o evento anual da empresa focado no desenvolvimento de aplicações para os seus sistemas operacionais, especialmente o Android, além da apresentação de novos produtos, como smartphones e tablets. E não faltaram momentos em que a plateia fez o seu “uuuuuhhhh” a cada novidade apresentada. E como não poderíamos ficar de fora de um evento como esse, aconteceu o 1º I/O Extendend realizado em Belém City. O Google Developers Group de Belém, ou apenas GDG Belém, organizou, em parceria com algumas empresas e entidades, o 1º Extended dessas bandas, transmitindo a Keynote oficial para um público aficionado…

  • Artigos

    Alguns pontos sobre estimativas

    Falar sobre estimativas sempre gera polêmica. Já há algum tempo uma hashtag no twitter vem causado burburinho. #noEstimates vai além do não uso de estimativas, mas sim de se trabalhar com uma deadline com qualidade. Dizer que não é possível estimar software pode parecer radical demais. O fato é que uma hora ou outra precisaremos estimar. Mas devemos ter plena consciência de que estimativas são chutes e algumas vezes, grosseiros. Então existe sim, uma deficiência no uso de estimativas em software. Mais uma vez, tenho que pôr a culpa no scrum que nos fornece os benditos Story Points (veio do XP, mas o Scrum popularizou), uma unidade de medida obscura e que…

  • Artigos

    Real-Time com XMLHttpRequest

    O XMLHttpRequest ou XHR, mudou tudo. Graças a essa API, o client-side pode transferir dados via Javascript. Ele inseriu o “D” na frente do HTML e nos permitiu obter assincronismo em nossas aplicações web. Antes dele, uma página precisava ser recarregada para enviar ou receber dados do servidor. Apesar de estar presente nos browsers desde o Internet Explorer 5, o XHR ainda é essencial para desenvolvermos aplicações web ricas e pode também ser usado – apesar de existir, hoje, tecnologias como websocket – para aplicações de tempo real. XHR nos fornece uma maneira eficiente de sincronizar atualizações entre cliente e servidor. Quando necessário, uma requisição XHR envia dados para o servidor.…

  • Artigos

    Coisas que todo fundador de startup deveria saber

    Diante de todo “oba oba” que surgiu sobre startups nos últimos anos, temos observado muita gente perdida e se achando o novo grande empreendedor do século. Abaixo temos uma lista de algumas coisas úteis que todo startupeiro deveria saber.

  • TáSafo em Ação

    O #tasafoemacao voltou!!

    O campeão voltou! Em Abril, teremos um Tá Safo em Ação no auditório da FIEPA. Neste encontro teremos palestras com temas diversos, entre gestão, mobile e web, com palestrantes com grande experiência em suas respectivas áreas: Como aumentar a produtividade e a qualidade através da convenção REST em aplicativos web ou mobile com Felipe Iketani SOA – Princípios de Arquiteturas Orientadas a Serviços com Cássio Noronha Elaboração de um Product Backlog Efetivo com Fábio Aguiar  Android Wear: estendendo sua app para relógios inteligentes com Bryan Ollivie e Ramon Rabello O evento irá ocorrer no dia 08 de Abril, com início às 19:00 horas. O auditório da FIEPA fica na FIEPA,…

  • TáSafo em Ação

    Os 5 posts mais lidos do ano no blog do Tá Safo

    Em 2014, o blog bombou com várias postagens legais. Selecionamos os 5 posts mais lidos do ano. Confira abaixo: Iniciando com ElasticSearch Product Backlog Building Rails para desenvolvimento de produtos Entrega Contínua com Ruby on Rails, GitHub, Code Climate, Travis CI e Heroku Porque utilizar AngularJS no seu próximo projeto É isso aí! O ano ainda não acabou. Fique ligado no blog.

  • Artigos

    Os finados do software em 2014

    Neste ano que passou, presenciamos a morte de muita gente importante. Mas não é sobre eles que quero falar, mas sim, sobre o falecimento de dois ‘caras’ extremamente presentes em nossas vidas, ou não. Perdemos, em 2014, o Agile e o TDD. O desenvolvimento ágil, agilidade ou agile, deixou de ser um hype e parece estar maduro na cabeça das pessoas, ou não. Enfim, muita gente sabe o que significa Agilidade. Até mesmo pessoas que antes cuspiam no chão quando ouviam falar do termo, estranhamente, hoje abraçaram o agile. Temos que comprar o leite das crianças não é mesmo? Algumas, até tentam mesclar o ágil com a sua metodologia pré-histórica…

  • Artigos

    Mocks e Stubs com Rspec

    Mocks e stubs são conceitos, muitas vezes de difícil compreensão, principalmente para desenvolvedores iniciantes em testes automatizados. Eu mesmo levei um tempinho para compreendê-los e nem sei se entendi muito bem. Por trás disso existe uma nomenclatura um tanto confusa e que não ajuda muito na compreensão dos conceitos. Vamos analisar como o Rspec trabalha com eles utilizando a biblioteca rspec-mocks.

  • Artigos

    Iniciando com Elasticsearch

    Elasticsearch é um mecanismo de busca open source, desenvolvido ‘em cima’ do Apache Lucene, uma engine de pesquisa full-text. Podemos dizer que o Elasticsearch abstrai a api do Lucene, que apresenta uma certa complexidade e curva de aprendizado alta. Mas o Elasticsearch não é somente uma engine de pesquisa full-text: disponibiliza dados em tempo real pode ser distribuído e configurado para apresentar alta disponibilidade é orientado a documentos disponibiliza uma api restFul