Alguns pontos sobre estimativas

vidente-recorte

Falar sobre estimativas sempre gera polêmica. Já há algum tempo uma hashtag no twitter vem causado burburinho. #noEstimates vai além do não uso de estimativas, mas sim de se trabalhar com uma deadline com qualidade. Dizer que não é possível estimar software pode parecer radical demais. O fato é que uma hora ou outra precisaremos estimar. Mas devemos ter plena consciência de que estimativas são chutes e algumas vezes, grosseiros. Então existe sim, uma deficiência no uso de estimativas em software.

Mais uma vez, tenho que pôr a culpa no scrum que nos fornece os benditos Story Points (veio do XP, mas o Scrum popularizou), uma unidade de medida obscura e que muitos não entendem direito pra que serve.

Chegou o momento de começarmos a nos questionar sobre isso. Medir velocidade não faz sentido.

Continuar lendo

Anúncios

TáSafoDev 1.15

No dia 11 de abril foi realizada no HUB 728 Coworking a primeira edição do TáSafoDev nomeado com 1.15, a primeira edição de 2015. Um sábado de muito aprendizado, interação e muito código!

O TáSafoDev é um evento voltado para programadores, curiosos por desenvolvimento de software e principalmente pra quem quer aprender como funciona o dia de desenvolvimento ágil.

IMG_20150411_102030O dia começa com a configuração dos ambientes e um overview das técnicas, linguagens e de como iria funcionar o dia. Nessa primeira edição foi escolhida a aplicação Bizusafo para todos trabalharem.

O projeto do Bizusafo está no repositório do Github do Tá Safo e lá estão várias issues cadastradas pelos membros da própria comunidade. Antes de iniciar os ciclos de desenvolvimento foi realizada uma reunião de planejamento, atualizando o Backlog (lista de issues cadastradas) e priorizando as issues consideradas mais importantes, com o maior ROI (Return of Investment). Após a lista atualizada e priorizada todos discutiram a respeito de cada uma delas para entender melhor o que seria feito.

A partir do planejamento realizado foi feita a divisão dos Times sendo um de Android e outro de Ruby e Rails, e em seguida as primeiras duplas foram formadas. Todo o fluxo de desenvolvimento foi seguindo o Git Flow, então após cada incremento de software finalizado era realizado um pull request e esse era revisado pelos outros membros do Time em uma sessão de code review.

Continuar lendo